5 tendências da edtech para assistir em 2020 (e uma para deixar para trás)

Em 2019, houve uma enorme mudança no consenso sobre como a tecnologia se tornou vital para a educação. Os educadores acreditam firmemente que os ajuda a fazer melhor seu trabalho, envolver os alunos e melhorar o comportamento.

De acordo com o relatório anual State of Technology in Education, mais tecnologia está sendo usada de maneiras ainda mais criativas nas escolas. Graças a isso, esperamos ver maior economia de tecnologia, investimentos mais inteligentes e melhor acessibilidade nas escolas no próximo ano.

Aqui estão 5 tendências da edtech para assistir em 2020:


1. Melhor acessibilidade às informações


Com esses avanços nas ferramentas de acessibilidade, há um argumento controverso sobre se os alunos precisam aprender a ler atualmente.

A resposta é sim, é claro. Mas ajuda a perceber como a tecnologia ajuda os alunos com dificuldades e deficiências de aprendizado. No próximo ano, espere ver informações e conhecimentos mais acessíveis por meio da tecnologia. Isso inclui ferramentas de voz para texto e texto para voz que são especialmente úteis para alunos que sofrem de dislexia e outros problemas de aprendizagem.


2. Economia circular da edtech


Com maior conhecimento técnico, mas com orçamentos esticados, as escolas estão ficando mais inteligentes com seus investimentos em tecnologia de ponta.

Para direcionar o orçamento para onde é mais necessário, no próximo ano mais escolas aprenderão a aproveitar o que a edtech já possui. Isso significa que, em vez da abordagem comum de 'comprar, usar, descartar', mais escolas adotarão um modelo de reutilização.

Isso pode significar a renovação de dispositivos ou o investimento em tecnologia atualizável, como o Promethean ActivPanel. Isso criará uma economia mais circular e colocará as escolas em um melhor controle de sua estratégia de TI.


3. Compras de tecnologia baseadas em evidências


Além de maximizar suas tecnologias existentes, esperamos que as escolas tomem decisões de compras mais informadas em 2020.

É muito mais provável que as escolas invistam em tecnologia com base em evidências de que ela suporta os requisitos e desafios de aprendizagem de suas escolas. No momento em que os orçamentos são incrivelmente apertados, os líderes das escolas querem saber que a tecnologia em que gastam dinheiro os apoiará nos resultados de que precisam, além de se integrar facilmente à infraestrutura existente.


4. Tecnologia para melhorar a colaboração


A tecnologia que os alunos usam fora da sala de aula é colaborativa e social; então, por que a edtech não deve espelhar isso?

De acordo com nosso relatório, o uso de ferramentas colaborativas, como painéis interativos e tablets, continua a aumentar, junto com os aplicativos - todos com as maiores taxas de uso já vistas.

Cada vez mais, os educadores esperam que a edtech promova conexões entre os alunos e seus colegas. Tecnologias que incentivam o trabalho em equipe, a colaboração e as habilidades sociais definirão as crianças com as soft skills para terem sucesso no local de trabalho além da educação.


5. Mais 'ed'. Menos 'tecnologia'


Por mais de uma década, houve uma explosão nas empresas iniciantes que oferecem tecnologia de ponta para as escolas. Muitas dessas pequenas empresas demonstram orgulhosamente recursos técnicos, truques inteligentes e gráficos incríveis. Infelizmente, um grande número esquece de vincular seu produto a uma pedagogia básica.

Essas ferramentas têm longevidade mínima, pois estão muito distanciadas do trabalho principal que os professores fazem todos os dias; planejamento, avaliação e ensino. Agora que os educadores vêem como a tecnologia pode facilitar seu trabalho e enriquecer o aprendizado de seus alunos, eles têm menos tempo para truques ou modismos.

No próximo ano, de acordo com as escolas que procuram aquisições baseadas em evidências, haverá um número maior de ferramentas genuinamente educacionais disponíveis. Estes serão inteiramente focados nas metas de aprendizagem e no currículo. Isso significa menos financiamento para desenvolvimentos de edtech de 'pônei de um truque'.


E, finalmente, qual tendência da edtech as escolas podem deixar para trás?


O modelo Traga seu próprio dispositivo (BYOD) ganhou popularidade há alguns anos. Como muitos estudantes possuíam smartphones ou tablets, as escolas viram uma oportunidade de introduzir mais tecnologia e reduzir custos ao mesmo tempo.

A desvantagem? Os dispositivos pessoais são amplamente considerados uma distração nas escolas. Se os alunos estão usando telefones para atividades sociais cotidianas, eles estão se concentrando menos em seu aprendizado. Em alguns casos, os benefícios da tecnologia não são superados pelos desafios.

Além disso, a menos que uma escola esteja usando um hub interativo na sala de aula, os dispositivos móveis são minimamente colaborativos. Mais escolas estão percebendo que, se a tecnologia deve ajudar os alunos a desenvolver habilidades pessoais, existem tecnologias mais eficazes que os smartphones pessoais.

Além disso, conectar vários dispositivos pessoais a uma rede escolar pode ser um risco de segurança muito maior do que usar uma frota de dispositivos pertencente à escola ou um monitor interativo. A menos que sejam totalmente protegidos por firewall com segurança de nível empresarial, as escolas podem se abrir para roubo de dados ou não conformidade com GDPR.

Em vez disso, mais escolas consideram a reutilização ou reforma de tablets ou laptops de propriedade da escola, usando tecnologias colaborativas, displays interativos como o Promethean ActivPanel, todos suportados por aplicativos educacionais gratuitos ou de baixo custo.

0 visualização

© 2015 por Equipe FabNerdes. 

  • White YouTube Icon
  • White Instagram Icon
  • White Facebook Icon
  • White Flickr Icon
  • White Twitter Icon